Resenha: A Cidade do Sol

Olá desventureiros! Como andam as coisas por ai?

Eu realmente espero que estejam melhores do que por aqui. Sabem como é né, não tá fácil pra ninguém. Mas então, eu passei aqui justamente para postar a resenha do livro que é um dos maiores clássicos que eu já li. A Cidade do Sol vai muito além de um livro sobre a guerra e a vida no Afeganistão, ele aborda questões interiores e nos faz pensar sobre esperança, destino e amor.

Enfim, leiam a resenha.

Imagem

Sinopse: A Cidade Do Sol – Khaled Hosseini

Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

Bem, vocês já devem ter ouvido falar de Khaled Hosseini e se não ouviram falar dele com certeza já ouviram falar de seu outro livro O Caçador de Pipas. Então, vocês precisam saber que A Cidade do Sol supera todas as expectativas e vai além de qualquer coisa que vocês imaginaram.

Quando eu comecei a ler o livro eu não estava muito empolgada, mas tenho que admitir que a empolgação nasceu em algum momento e se torou imensa e acalentadora e veio acompanhada de tantas emoções que só me deixaram depois que eu tinha terminado o livro a muito tempo. O livro retrata de forma marcante a cultura e o tradicionalismo de Afeganistão fazendo um panorama histórico que começa nos anos 70 e segue até o começo do século XXI. O livro é dividido em quatro partes e conta a historia de duas mulheres.

Na primeira parte do livro conhecemos Mariam, que é uma menina sonhadora e iludida, ela se sente culpada pela morte da mãe que se suicidou quando ela saiu de casa para procurar o pai. Rejeitada pelo pai por não ser filha legítima, ela é obrigada a se casar com Rashid um homem 30 anos mais velho que deseja ter um filho. Mariam, passa então a ser tratada como empregada mais do que como esposa até o momento em que engravida. Quando Mariam engravida Rashid passa a trata-la como uma rainha, fazendo seus gostos, comprando presentes e esperando ansioso pelo nascimento do filho. Infelizmente Mariam perde a criança e tem que se submeter novamente aos maus tratos e humilhações que o marido lhe impõem.

Na segunda parte do livro é contada a história de Laila, que mora na mesma rua que Mariam e Rashid. Filha de um professor, ela frequenta a escola, e tem muitos planos para o futuro. É apaixonada por Tariq, um amigo de infância. Por causa da guerra Tariq e sua família fogem da cidade e Laila decide permanecer ao lado dos pais, mas logo depois da partida do amado descobre que está gravida. Quando finalmente a família de Laila decide fugir um bombardeio atinge a casa dela e a única sobrevivente é Laila. Ela só acorda muito tempo depois, e se descobre na casa de seus vizinhos, Rashid e Mariam. Para permitir que Laila continuasse lá, Rashid, então, propõe que Laila se case com ele. Ela aceita o casamento, pois está grávida de Tariq e assim se torna a segunda esposa de Rashid.

A partir dai a vida de Laila e Mariam se entrelaçam e a trama fica muito comovente e emocionante. O livro nos mostra de forma clara a imensidão do amor de uma mãe por seus filhos. As humilhações, privações dores e ofensas a que se submete para proteger seus filhos. Trata também da cumplicidade, da esperança, fé e de nunca deixar de acreditar.

Eu tenho certeza que é impossível ler esse livro sem derramar algumas lágrimas e sem se questionar sobre a vida a esperança a amizade a cumplicidade e o amor. Mais do que um romance o livro é uma aula sobre a história do Afeganistão e uma lição pra vida. Então, leiam o livro, vocês não vão se arrepender.

E é claro, participem da promoção que vai sortear o livro!

PS: Segue uma das muitas frases marcantes do livro, só para vocês terem uma ideia de como é encantador e comovente.

“Ali, o futuro não contava. E o passado só continha uma certeza: o amor era um erro nocivo, e sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira.” 

É isso queridos.

Beijoos

Maltinee’

16 pensamentos sobre “Resenha: A Cidade do Sol

  1. Gostei também quando li, mas como a memória de o caçador de pipas ainda era muito recente as comparações das tramas e tragédias tornaram o livro um pouco “mais do mesmo” pra mim…

  2. Pingback: Promoção – Festa de Parceria | Desventuras em Books

  3. Adorei o livro, na epoca que eu li, queria ler O Caçador de Pipas, mas tia falou para ler esse, pois adorei o livro é tão interessante e profundo.

  4. “Ali, o futuro não contava. E o passado só continha uma certeza: o amor era um erro nocivo, e sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira.” Lembro como se fosse hoje o dia que li o livro e postei essa frase no meu blog. Realmente, não foram algumas lágrimas que derramei ao terminar este livro, o autor é muito bom e se destaca muito, o livro teve muito sucesso e não foi um daqueles sucessos fúteis que vemos por aí, foi o que mais me chamou a atenção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s